domingo, 9 de agosto de 2009

Felicidade e infelicidade

Então, eu estava pensando sobre felicidade e infelicidade. Seria melhor passar a primeira metade da vida feliz e a segunda infeliz, ou passar a primeira metade infeliz e a segunda feliz (se não houvesse a opção felicidade nas duas metades)?
Bem, sendo infeliz primeiro é sempre melhor, porque ai você fecha a vida com chave de... erh, ouro (eu não gosto dessa expressão). Tipo, é como comer primeiro a salada depois o resto da comida (pra quem não gosta. Eu particularmente gosto de salada), ou comer um chocolate depois de ter tomado uma colherada de óleo de tubarão. Se você é feliz e depois infeliz, vai ser mais infeliz do que quem foi infeliz primeiro, porque conheceu a felicidade, a tinha, e vai sofrer muito mais porque tem com o que comparar, e estava acostumado a ela. Da mesma forma, a felicidade de quem foi primeiro infeliz é muito mais feliz. Pelo menos, é o que eu acho. Na ordem, eu preferiria tomar primeiro o óleo de tubarão, depois comer o chocolate (notaram meu trauma com óleo de tubarão, né?).
Acontece que, se alguém foi infeliz em toda sua metade da vida, infância, adolescência, adultência, enquanto sua personalidade estava se formando, provavelmente vai ser uma pessoa amargurada e traumatizada pelo resto da vida, prejudicando dessa forma sua felicidade futura. Ela pode desenvolver várias patologias psicológicas, como culpa por finalmente ser feliz, não saber aproveitar a felicidade, etc etc. Enfim, o ser humano é muito mais complexo do que óleo de tubarão e chocolate, ou saladas.

3 comentários:

Vitor Leite disse...

Vc andou fumando O QUÊ?

Eu tenho uma sugestão melhor: que tal dividir sua vida em uns 50 pedaços, uns felizes e outros infelizes, sendo os felizes maiores que os infelizes?

Sua felicidade, é você quem faz.

E que tal seguir o melhor ensinamento da bíblia? (Comeis de tudo que lhe puserem à mesa, sem nada reclamar)

tiradoabesta disse...

Eu entendi metade do que você quis dizer, eu acho.

Anônimo disse...

Nada no Universo é mais complexo do que o ser Humano

Quanto a sua questão se uma pessoa for infeliz na primeira metade da Vida dependendo de como ela encarar e compreender as circunstancias ela será mais ou menos feliz no futuro. Agora quanto a infelicidade na segunda metade da Vida, também depende...

Nossos pressupostos são relativos, portanto não há valor algum absoluto.

A Felicidade não depende em absoluto da amizade nem da familia nem da condição socio-economica, nada que seja exterior a sua própria consciência. Você é sua própria felicidade. Só haverá felicidade no mundo se houver primeiro felicidade em você. É uma ilusão acreditar que nossa felicidade vem de fora.Todas as coisas então dentro de nós desde o principio.
Lembremo-nos primeiramente que todas as coisas fisicas um dia foram não fisicas(Consciência). Portanto atraimos a nós tudo o que pensamos e dedicamos atenção. Porem nem todos os nossos desejos, sonhos, medos se realizam mesmo porque muitas vezes não compreendemos o quão grande somos e desacreditamos. Logo influênciados pelo condicionamento materialista é normal que comportemos até mesmo com uma certa previsibilidade. Enfim o combustivel dos nossos desejos é a gratidão das dadivas já concedidas, e a resultante da causualidade(Espero que seja positiva)

Abraço!