sábado, 26 de setembro de 2009

Café?

- Aceita um café?
- Não.
- Um chá?
- Não.
- Biscoitos?
- Não.
- Uma dose de conhaque, talvez?
- Absolutamente! Quero dizer, não, muito obrigada, eu não bebo.
- Ah! Não bebe...

- Então você não quer mesmo nada.
- Não, me desculpe, eu não quero.
- Não, eu não perguntei.
- Ah.
- Mas então, temos que conversar, nos familiarizar um com o outro.
- Temos.
- Você não ajuda muito.
- É verdade... quero dizer, vou ajudar. Você gosta daqui?
- Não sei, acabei de chegar.
- Eu também. Mas por enquanto, gosta?
- Não sei se gosto... Você gosta?
- Eu?
- É.
- Gosto, gosto, quer dizer, acho que sim. Acho que vou querer alguma coisa agora, então.
- Eu ainda não sei onde estão as coisas, sabe?
- Podemos procurar...
- Podemos.
- Que bulezinho mais mimoso!
- HAHA!
- Que foi?
- o bule.Quero dizer, você, mimoso, sabe? Engraçado.
- Minha mãe que fala assim.
- Ela é legal?
- É. Quer dizer, não sei, mães são mães, sempre, não sei se é legal ou não.
- A minha é.
- ah, a minha também, acho.

- Eu realmente gostei desse bule!
- Nota-se! Ficou 5 minutos calado olhando pra ele.
- Desculpe, eu, erh, mm, me distraio um pouco.
- Notei.

Um comentário:

gargoyle.fun disse...

bules são úteis para aplicação de remédios pelo nariz.